29 de dez de 2008

Véspera de Ano Novo


Quase véspera de ano novo. Gôsto de aniz, arco-íris. Vontade de criar coisas novas, de viver o não vivido. Sair da preguiça, colocar o pé na estrada. Ver novos horizontes, fazer roupa nova para o cotidiano. Trocar lençóis, móveis e paredes. Pintar aquarelas com pinceladas a esmo. Gosto de abstrato. Gosto de abstrair. É difícil fazer amigos profundos; requer muita sutiliza e menos formalidades. Reinventar a história. Voltar no tempo, fazer mais besteiras e refazer algumas que fiz. Planejar menos, executar mais. Sentir o sol, mais sexo, menos pudor nas relações. Dizer mais o que penso, pensar mais o que falo. Tudo tinindo, tudo em cima. Divagar, devagar. Jogar o jogo das emoções, não temer os descompassos do coração. Dançar, mexer, ondular. Rir muito, sorrir mais. Vinho! Bocas ! Luzes! Cama com amor! Remexer no calendário e remoçar. Brilhar, ousar, jogar coisas fora. Sentir. Ler. Beijar. Abraçar. Tocar. Coisas simples, nada demais. Eu consigo.
Marisa Speranza