25 de mar de 2012

Fuso Horário




  Sem acreditar na viagem que iria fazer para países estrangeiros, deu-se conta que já estava na viagem da vida. Levou um susto porque estava à serviço das agências de turismo e da moda que afirmavam que tinha que conhecer Paris, Londres e Espanha. Não está com a mínima vontade de ficar à mercê de fusos horários,dos corre-corres, das bagagens, da poltrona da classe econômica. Gosta mesmo de vivenciar silêncios, pássaros, cores e amores. Gosta de sua rua, diferente todos os dias, das pessoas conhecidas que sempre tem estórias diferentes para contar. Aprecia cozinhar, temperos e vinhos. Sua fisionomia se modifica aos sabores. Gosta das idéias, dos pêlos eriçados e excitados pelos simples pensamentos. O abraço do seu homem, seu beijo ardente já a leva para lugares distantes. Sua boca se nutre de fogos de artifícios, árvores de Natal e cheiro de neve. Sua púbis, seu lugar de acolhimento a faz estremecer pelo tato das mãos que a gozam. Pensa nas ausências das coisas rotineiras, em seu vazio e da sensação de não ser e nem precisar chegar. Entende que a breve vida já é suficiente, com muitas aventuras e, nos intervalos e na calmaria, sente que o mundo inteiro brilha. Não quer a vaidade e nem as palavras ditas em outras línguas que apenas afastam. Está longe de querer fotos digitalizadas que sempre lhe dão a impressão que as pessoas estão mais preocupadas em dizer “eu estive aqui” do que realmente vivenciar. Irá, um dia, a outros lugares, ultrapassar fronteiras, se puder levar poucas roupas, sem tempo, no seu tempo e sem máquinas fotográficas.
Marisa Speranza