16 de out de 2007

Oração II


Todos os dias eu rezo. Não para deus, mas para a vida. Às vezes, acordo às avessas e parece que todas as paredes da casa irão se rachar. Meu sofá da sala, amarelo, sofre quando me jogo sem piedade.Mas, depois do café o sol chega a meus olhos e tudo em mim, encanta. Sou outra, delicada, de bem e amante. Quero brincar com o dia, fazer dos minutos, instantes eternos. Quero tocar pessoas e participar com elas. Meu jeito de dizer as coisas é sempre muito humano. Quero viver cada dia como se fosse único. Mas, não é? Cada pedacinho de mim se modifica quando toco partes alheias e diferentes. Estou na fronteira entre mim e de quem vem em minha direção. Fico com jeito de sapeca e me deixo levar. Continuo caminhando, olhando e enxergo a luz e a escuridão. Mergulho na paisagem que se apresenta. Deixo que o amor me toque, não o piegas, mas o que faz meu corpo vibrar pelo simples fato de estar viva, seja diante das coisas boas ou das coisas ruins. Quero modificar, quero me deslocar, para fora, para dentro, ir e vir. Quero chegar em casa, saborear todos os cantinhos e frestas que falam comigo. Quero descansar, quero deixar que meus pensamentos cessem.Quero dormir. Agora vou rezar e sonhar. Amanhã será um novo dia.

Marisa Speranza

Um comentário:

Ruth Rendeiro disse...

Oi Marisa !
Acho que vai se cansar de me "encontrar" tanto rsss Na realidade acredito que só agora descubro esse outro lado da NET.
Li grande parte do seu blog. Que delícia !! O meu ainda não chegou a esse estágio, mas espero que não demore. Ainda é triste, ansioso, cheio de expectativa.
Grande abraço e obrigada por tudo que tem me permitido encontrar. POr tudo que tem me oferecido tão generosamente.
Beijão,
Ruth Rendeiro